quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Cabo Verde, Ilha do Sal – Parte II

Sendo a nossa viagem em Maio, não havia voo direto pela TAP para o Sal por isso a saída teve de ser de Lisboa. Na altura nem pusemos a hipótese de ir de comboio para Lisboa. Ao marcar as férias na agência pedimos a reserva de voo Porto-Lisboa mas só soubemos os valores das taxas a pagar cerca de um mês antes da data de ida… Nessa altura bem que nos arrependemos de não ter ido de comboio! Mais de 100€ por pessoa quando tínhamos a hipótese de ir por menos de 20€ de comboio ou até mesmo de Ryanair… Mas pronto sempre é mais prático largar as malas todas logo no Porto e só nos voltarmos a preocupar com elas no destino final… Se bem que as malas foram uma grande preocupação! 

Já várias pessoas que foram a Cabo Verde me tinham relatado más experiências com a bagagem… Ora porque as malas só chegavam passados dias ora porque nunca chegavam mesmo a aparecer… A juntar a isso, fomos nos tão famosos aviões TAP que fazem a ponte aérea Porto - Lisboa e onde também acontecem vários problemas com a bagagem. Os aviões são pequenos e muitas vezes não levam a bagagem toda, indo somente nos voos seguintes.

Para precaver todas estas situações, levamos uma mala de cabine com o essencial e mudas de roupa para 2 dias. Na ida marcamos o voo Porto-Lisboa com bastante antecedência do voo Lisboa-Sal para dar tempo caso a nossa bagagem não fosse no nosso voo. Tudo correu bem! Quer na ida quer na volta, as nossas malas apareceram sempre 

Chegamos à Ilha do Sal já de noite e à nossa espera estava o representante local da Abreu, a Barracuda Tours. À saída do aeroporto percebemos logo o clima quente e seco e o vento tão característico de Cabo Verde.

A viagem do aeroporto ao resort demorou cerca de 20 minutos. Pelo caminho a guia ia falando sobre a cultura Cabo Verdiana e íamos deixando pessoas em outros resorts.

Finalmente chegamos ao Oasis Salinas Sea onde os recepcionistas já nos aguardavam para fazer o check-in. Eramos um grupo de cerca de 20 pessoas mas como tínhamos uma criança deram-nos prioridade e rapidamente fizemos o check-in e fomos conhecer o nosso quarto.






Como já era tardíssimo - cerca da 1h da manhã lá mas nós ainda estávamos com o fuso horário português por isso já eram 3h da manhã – apenas nos instalamos para dormir e não conhecemos mais nada nesse dia senão o trajecto aeroporto – hotel – recepção – quarto.


 
footer